segunda-feira, 2 de abril de 2012

?

O que me prende?
O que me liberta?
Era pra eu saber
Era pra eu entender
Eu não entendo meus choros, vou entender liberdade
Eu só quero sair dessas amarras

Quero flutuar no ar como fumaça de cigarro
Quero ouvir meu pobre e ferido coração
Quero me amar
Não quero saber o que me prende, nem o que me liberta
Quero só sentir, só sentir

Doçura

Açucar, adoçante, xarope de agave
Tudo isso já é doce por si só
Eu quero que tudo seja doce
Que seja doce o orgulho
Que seja doce o temor
Que seja doce tudo que um dia eu te dei
O amor

Que seja doce a discórdia
E toda a corrupção
Que seja doce o mistério
E todo meu tesão
Que seja doce o martírio
A revolução que  faço por você
Que seja doce a guerra
O poder, o perder

Que seja doce a nossa vida
Que seja tudo doce
Até eu enjoar e...
Me perder dessa doçura toda e...
Voltar pro amargo que sou